Arquivo do mês: dezembro 2009

Balanço geral

O ano de 2009 está difícil de balançar. Tiveram momentos muito bons. Muito bons. E também vários momentos ruins. Muito ruins. Tá difícil pôr na balança. Acho que posso até dizer que foi um bom ano. Aprendi muita coisa. Gostei … Continuar lendo

Publicado em Meus ares | Marcado com , , , , | 4 Comentários

Quase infantil

A vontade de aproveitar cada minuto, cada milésimo de segundo era tão grande, mas tão grande que ela não sabia o que fazer. Se gritava, se pulava, se corria… Não conseguia era pensar em sentar e relaxar. Não, não podia. … Continuar lendo

Publicado em Meus ares | Marcado com , , , | 2 Comentários

Em memória

Um dia no curso de Jornalismo Literário que fiz no meio do ano, o professor sugeriu que escrevêssemos sobre o melhor e sobre o pior acontecimento das nossas vidas. Sinceramente, nunca tinha parado para pensar na pior coisa da minha vida. Sofro … Continuar lendo

Publicado em Ventos reais | Marcado com , , , , , , | 1 Comentário

Não te basta

Quando começo a me sentir assim, sei que é você chegando, querendo entrar sem pedir licença. Parece que não te basta perturbar meu sono, assombrando meus sonhos (ou seriam pesadelos?), invadindo meu subconsciente. Quer mais, quer me pegar acordada e … Continuar lendo

Publicado em Meus ares | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Síndrome da Insanidade Temporária

Esses dias, conversando com algumas amigas notei que grande parte das mulheres sofre de uma síndrome. A síndrome da insanidade temporária (SIT). A SIT pode se manifestar em diversas ocasiões, como após uma demissão, uma briga com o chefe ou … Continuar lendo

Publicado em SIT | Marcado com , , , , , , , , , | 5 Comentários

Chocolate do bem

Sabe aquele dia que não deveria ter saído da cama? O despertador toca e você nem sabe se foi ele mesmo ou se foi um pesadelo. Torce para que tenha sido o pesadelo, mas a função soneca não se deixa … Continuar lendo

Publicado em Meus ares | Marcado com , , , , , , , | 1 Comentário

Bairro nobre alaga?

Mais uma vez sou obrigada a usar esse singelo espaço para uma crítica. Ontem, 3 de dezembro choveu. Choveu muito. Foram quarenta minutos de muita água descendo dos céus. Mas, por mais chuva que tenha caído, não justifica uma rua … Continuar lendo

Publicado em Ventos reais | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário