Arquivo da categoria: Estórias aos ventos

O amor

O conheceu a primeira vez quando criança se lembra bem. Tinha forma discreta e inocente, mas foi naquela tarde de verão que o encontrou pela primeira vez. Ela estava em cima de um pé de manga. Estava lá, toda esticada … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , | Deixe um comentário

A louca

A louca foi andando. Ia com suas bochechas borradas de preto enquanto as pessoas davam passagem. Ninguém ousava ficar na linha de colisão com a louca, pois estava claro, nos olhos dela, que se alguém lhe cruzasse o caminho, levaria … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , | 1 Comentário

Às vezes

Às vezes me pego acreditando que estou exatamente onde deveria estar, o que não anula o desejo de estar em outro lugar. Mas o ameniza. Às vezes desejar demais o tempo todo cansa. É como correr na esteira, dar tudo … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Cotidiano

Como em outro dia qualquer, Claudia entrou no ônibus às 6h para ir ao trabalho. Cumprimentou Raimundo, o motorista que já conhecia da longa viagem, que era o percurso para o trabalho, feita tantas vezes. – Dia Raimundo. – Dia … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , | 2 Comentários

Remotamente

Às vezes queria sentir raiva. Mesmo sabendo que indiferença é o melhor sentimento que alguém como eu possa ter para alguém como você. Achava que ia restar aquele pulso de coração na boca, de nervoso, de dor, de amor, de … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

O formigueiro (parte 2)

Para ver a primeira parte da história clique aqui Estava tudo indo às mil maravilhas no formigueiro das Inteligentes. O projeto sustentável do formigueiro facilitou muito a vida das formigas além de preservar os recursos naturais. Trabalho tinha, muito e … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , , , , , | 1 Comentário

Abraço perfeito

Que saudade me dá daquele seu abraço. Aquele que encaixa de forma inexplicavelmente perfeita. Seu peito no meu, sua barriga na minha. Aquele que suas mãos se encaixam anatomicamente nas minhas costas e as minhas mãos envolvem tua nuca. Aquele abraço que … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , | Deixe um comentário