Arquivo da tag: amor

Sampa

Em dia de aniversário de 458 anos de São Paulo, aqui vai meu post. Nasci em São Paulo. Cresci em Pindamonhangaba. Voltei pra sampa pra estudar, em 2004. 18 anos, descobrindo o mundo, como não se encantar com São Paulo. … Continuar lendo

| Marcado com , , , | Deixe um comentário

Lá vem você

E lá vem você com esse seu cheiro. Com esse seu abraço. Com esse seu beijo no meu rosto, cujos olhos tive que secar apressadamente, antes que você visse. E eu que achei que nem achava mais nada. Mas as … Continuar lendo

| Marcado com , , , | Deixe um comentário

O amor (parte 2)

O encontrou pela segunda vez na capital, quando seus pais mudaram para lá. Ele tinha lá seus 16 anos e parou numa lanchonete depois da aula. Reconheceu-a não pelos seus cachos castanhos, pois agora estavam vermelhos. Não pelo rosto, que … Continuar lendo

| Marcado com , | Deixe um comentário

Coração de pedra

Ele tinha um coração verde que o incomodava muito. Tanto que ele roubava o coração das mulheres com quem saía para ver se conseguia transplantar o seu. Ele saía com elas, as deixava apaixonadas e quando elas menos esperavam, lhes … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , , | 2 Comentários

Simplesmente bom

Às vezes é bom estar com alguém simplesmente bom. Alguém que não faça seu estômago dar voltas, que não tire seu sono, que não te faça ter náuseas. Alguém por quem você não prende a respiração e não te cause … Continuar lendo

Publicado em Estórias aos ventos | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Aniversário duplo

Hoje o Catavento Urbano completa um ano! Nem parece, achei que não fosse dar conta de postar com regularidade, que não seria criativa o suficiente, que não teria leitores suficientes… Mas passaram-se 365 dias e as postagem, fora o período … Continuar lendo

Publicado em Ventos reais | Marcado com , , | 4 Comentários

A surpresa

E quem diria, ela nao podia nem imaginar que ainda estava vivo. Achava que seu coracao tinha se transformado meramente em um órgao que bombea o sangue. E que os ossos que o protegem, a partir de entao, sentiam fome … Continuar lendo

Publicado em Meus ares | Marcado com , | Deixe um comentário